Cidade Segurança

Bombeiro do DF é indiciado por desviar munição da PM

Cecor da Polícia Civil concluiu inquérito da Operação Fogo Amigo. Carga era enviada ao Comando Vermelho, no Rio

A Polícia Civil do Distrito Federal concluiu a investigação sobre o esquema de desvio de munições da Polícia Militar do DF para facções criminosas no Rio de Janeiro. Entre os indiciados, está um bombeiro militar do Distrito Federal, apontado como líder do bando alvo da Operação Fogo Amigo.

Conduzida pela Divisão de Repressão às Facções Criminosas (Difac) da Coordenação Especial de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Cecor), a investigação teve como objetivo desarticular a organização criminosa estruturada para abastecer o Comando Vermelho com grandes quantidades de munições de fuzis calibre .762 e .556. O material era desviado de lotes pertencentes à PMDF e comprados com recursos do Fundo Constitucional.

O resultado das investigações permitiu identificar Vicente Carlos de Oliveira Braga como responsável direto pelo repasse das munições aos transportadores, depois de obtê-las de Marcelo Rodrigues Gonçalves, primeiro-sargento do Corpo de Bombeiros do DF. Ele era servidor cedido ao Gabinete de Segurança Institucional desde 2014. De acordo com os investigadores, o militar se aproveitou da função para desviar “incontáveis munições dos mais diversos calibres para a organização criminosa”.

A operação foi deflagrada em dezembro de 2018. Na ocasião, foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e sete de prisão temporária no Distrito Federal, entre elas, a de Marcelo, e na cidade do Rio de Janeiro. Apurou-se ainda que, além das munições, o grupo criminoso promovia a comercialização de pistolas Glock G17, calibre 9mm, com seletor de rajadas.

Metrópoles entrou em contato com o Corpo de Bombeiros. O espaço está aberto para eventuais manifestações.

Faça um comentário

Clique aqui para fazer um comentário