Brasil Política

Golpista em 1964 e em 2016, Globo pede agora “firme defesa da democracia”

Depois de liderar os golpes de 1964, que lançaram o Brasil numa ditadura de 21 anos, e de 2016, que permitiram a ascensão do neofascismo no país, a Globo publica editorial nesta quinta em que pede defesa da democracia, diante das ameaças bolsonaristas. Um dos argumentos da Globo em seu editorial é o fim da exigência para publicar balanços em jornais impressos – o que faz sentido econômico, diante das mudanças tecnológicas             

Grupo de comunicação com DNA eminentemente golpista, por ter lutado contra a democracia brasileira em 1964 e em 2016, a Globo agora pede que as instituições defendam o Brasil do autoritarismo de Jair Bolsonaro, que ela própria ajudou a eleger. “Estes quase nove meses de governo Bolsonaro aconselham a necessidade de uma especial atenção de instituições e organismos da sociedade a desvios de poder que precisam ser coibidos e corrigidos”, diz o editorial, que aponta autoritarismo no fim da exigência de publicação de balanços em jornais impressos – o que talvez seja um dos únicos acertos de Bolsonaro

Faça um comentário

Clique aqui para fazer um comentário