7 de setembro

Grupo Prerrogativas alerta para ameaça de sublevação das PMs e escalada de ataques à democracia

Polícia Militar de São Paulo (Foto: Diogo Moreira)

Em nota, o grupo de advogados e juristas alertou que ações do governo Bolsonaro ​acarretam riscos à democracia e são ofensivas ao Estado de Direito

Polícia Militar de São Paulo
 

247 – O grupo Prerrogativas, que inclui juristas, advogados, professores, pareceristas e ex-membros do Ministério Público, divulgou nota nesta segunda-feira (23) alertando para os riscos da escalada de atos ofensivos ao Estado de Direito praticados pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seus apoiadores, informa a jornalista Mônica Bergamo em sua coluna na Folha de S.Paulo.

“Não bastassem as reiteradas ameaças dirigidas por Bolsonaro ao STF, culminadas pela abusiva e irresponsável apresentação ao Senado de pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes, surgem agora sinais de que o presidente da República está engajado em fomentar a sublevação de oficiais das polícias militares em favor de seus delírios golpistas”, afirma o Prerrogativas.

Nesta segunda-feira (23), o chefe do Comando de Policiamento do Interior-7 (CPI-7), coronel Aleksander Lacerda, foi afastado de suas funções depois de convidar “amigos” para a manifestação bolsonarista do dia 7 de setembro em Brasília..

O Prerrogativas diz que é “intolerável” que as forças policiais “sejam insufladas a tomar parte em manifestações contrárias à integridade das instituições de Estado”.

“É hora de repelir, de uma vez por todas, o golpismo corrosivo da nossa Democracia e da nosso regime constitucional! O Brasil precisa de uma agenda de reconstrução e não de destruição dos seus laços sociais, políticos e institucionais”, destaca a nota.

Leia a íntegra da nota do Prerrogativas:

PUBLICIDADE

“Em sua constante defesa da estabilidade democrática, o grupo de juristas Prerrogativas, composto por profissionais e docentes da área jurídica, vem alertar a sociedade brasileira para a escalada de atos gravemente ofensivos ao Estado de Direito, praticados pelo presidente da República e por seus apoiadores.

Não bastassem as reiteradas ameaças dirigidas por Bolsonaro ao STF, culminadas pela abusiva e irresponsável apresentação ao Senado de pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes, surgem agora sinais de que o presidente da República está engajado em fomentar a sublevação de oficiais das polícias militares em favor de seus delírios golpistas.

Assim como não há pertinência constitucional a retaliações contra o legítimo exercício da jurisdição pelos magistrados do Supremo, é intolerável que as forças policiais dos estados da Federação sejam insufladas a tomar parte em manifestações contrárias à integridade das instituições de Estado.