Brasil Política Sociedade

Volta das filas é crueldade com os trabalhadores, diz Luiz Marinho

Luiz Marinho (Foto: Divulgação)
 
 

“Chegamos a conceder em 30 minutos a aposentadoria. Eliminamos as filas, tudo funcionava. O que está acontecendo nesse momento é uma crueldade com o povo trabalhador. Estão precarizando as condições de trabalho dos servidores e sacrificando o cidadão”, diz o ex-ministro da Previdência

Da Rede Brasil Atual – Em 2020, o trabalhador voltou a enfrentar um problema que parecia superado, com filas nos postos do INSS por todo o país. Desde a aprovação da “reforma” da Previdência, que restringiu o acesso às aposentadorias, nenhum benefício foi concedido. Já são cerca de 2 milhões de pedidos, entre aposentadorias e pensões, que aguardam análise. O governo Bolsonaro deve anunciar medidas nesta quarta-feira (15), mas reconhece que a fila não deve ser normalizada pelo menos até junho deste ano.

Segundo o ex-prefeito de São Bernardo Luiz Marinho, que foi ministro da Previdência Social no segundo governo Lula (2007-2010), trata-se de um problema solucionado há mais de dez anos, quando o governo investiu na qualidade do atendimento prestado à população. Agora, a demora na análise da concessão de benefícios decorre, segundo ele, de uma política de desmonte da Previdência, que inclui a redução no número de funcionários e no tempo de atendimento das agências.

A situação pode se agravar ainda mais, já que o governo Bolsonaro anunciou o fechamento de 20 filiais da Dataprev, empresa pública que presta serviço de tecnologia da informação para o INSS, com a demissão de 493 funcionários, o que representa 15% do total de servidores. O governo já anunciou a intenção de promover a privatização da Dataprev, já incluída no Programa Nacional de Desestatização, o que colocaria em risco o sigilo dos dados de milhões de brasileiros.

“Chegamos a conceder em 30 minutos a aposentadoria. Eliminamos as filas, tudo funcionava. O que está acontecendo nesse momento é uma crueldade com o povo trabalhador que precisa dos serviços da Previdência. Demitiram, encurtaram o atendimento, não fazem concurso. Estão precarizando as condições de trabalho dos servidores e sacrificando o cidadão”, afirmou Marinho ao jornalista Glauco Faria, para o Jornal Brasil Atual, nesta quarta-feira (14).

PUBLICIDADE