JUSTIÇA Política

Bolsonaro queria Ramagem na PF para “interagir, telefonar e obter relatórios de inteligência”

STF suspende nomeação de Alexandre Ramagem para direção-geral da PF (Foto: Carolina Antunes/PR)

O ex-ministro Sergio Moro disse em depoimento que Bolsonaro manifestava o desejo de nomear Ramagem para a direção-geral por ser uma pessoa “de confiança”

 O ex-ministro Sergio Moro disse em depoimento à Polícia Federal no último sábado (2) que Bolsonaro queria ter Alexandre Ramagem no comando da PF para “interagir, telefonar e obter relatórios de inteligência”.

Segundo Moro, Bolsonaro manifestava com frequência a necessidade de ter uma pessoa “de confiança” na direção-geral da Polícia Federal. Moro ainda negou que Bolsonaro não recebesse relatórios de inteligência da PF, como disse em pronunciamento horas após a demissão do então ministro da Justiça.

“O Presidente lhe relatou verbalmente no Palácio do Planalto que precisava de pessoas de sua confiança, para que pudesse interagir, telefonar e obter relatórios de inteligência; a afirmação do Presidente de que não recebia informações ou relatórios de inteligência da Polícia Federal não era verdadeira; QUE o Declarante, em relação ao trabalho da Polícia Federal, informava as ações realizadas, resguardado o sigilo das investigações; QUE o Declarante, por exemplo, fazia como ministros do passado e comunicava operações sensíveis da Polícia Federal, após a deflagração das operações com buscas e prisões; QUE o Declarante fez isso inúmeras vezes e há mensagens de Whatsapp a esse respeito ora disponibilizadas”, diz trecho do depoimento de Moro à PF.

PUBLICIDADE