Colunas

O Político Sensato

 

Davi do Nascimento*

 

Hoje todo mundo tem que ter seu signo, seu time de futebol e sua religião, mas não se deve dizer que, na política, todo mundo tem que ser de direita, de esquerda ou de centro. Não se pode dizer que todo mundo tem que ter um lado. É coisa muito chata. Em épocas de liberdades, a gente pode ser tudo, inclusive sensato.

 

Explico como ele é. É objetivo. Suas respostas são claras e definidas. Às vezes, caminha no sentido de que simplesmente não é obrigado a ficar num lado, a favor de uma bandeira ou contra alguém. É calmo. Suas manifestações não são acompanhadas de energia ou cólera. Sua reposta nem precisa de palavras, mas pode resultar da calmaria do silêncio. É nobre. Pergunto, há maior sensatez em não odiar alguém, quem tem a ideia diferente? É irônico, se senta, com pipoca na mão, a ver os antagonistas brigarem entre si, defendendo causa de ninguém.

 

Veja bem. Não estamos falando de uma pessoa bege, cuja cor fica apagada em meio a pessoas e a lugares, nem mesmo de gente fria ou sem sal. Eis que o brilho do imparcial está em se portar de maneira elegantemente luminosa. Sua luz é a sensatez.

 

Se o sujeito nasce em família enriquecida e endinheirada, é obrigado a defender o capitalismo. Se nasce em família oprimida, tem que revolucionar tudo. O indivíduo sensato, meu amigo, pode nascer em qualquer lugar e terá uma vida autêntica. A autenticidade brotará justamente disso: não é obrigado a seguir o bonde. É original. Teve marcas, mas marcará o mundo da sua maneira, de forma, poderosamente, grandiosa.

Mas preciso esclarecer algo. Suas marcas no mundo são devidamente esclarecidas. Não trabalha com a cabeça de ninguém. Tem suas próprias ideias. É cidadão do bem, que, duma simples forma de entender, não defende nada nem ninguém.

Não o julgue mal. Pode até não pegar em armas, mas sua maior revolução é a sua sensatez.

 

 

 

*Davi do Nascimento

Instagram: @davi_nascimento_df

Licenciado em ling. PortuguesaUnB (Univ. de Brasília) e pós-graduado em Revisão de Texto, é também operador do Direito (Estácio)

Sua paixão é poesia (1º Lugar em Concurso Literário de CONTOS do TJDFT – 2008).

Além de especialista em redação, sendo 1º Lugar em Redação de Concurso da PCDDF (CESPE-2014), é Servidor Público Federal – TJDFT