Brasil JUSTIÇA Política

Análise: sem entender do assunto, Bolsonaro se segura na economia

Governo tem reconhecimento do mercado e de parcela da população, exatamente, na área terceirizada pelo presidente ao “Posto Ipiranga”

FOTO: HUGO BARRETO/METRÓPOLES

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chega ao final do primeiro ano de mandato em uma situação curiosa. Pela percepção do mercado, e de seus seguidores mais entusiasmados, o governo vai bem na condução da economia, assunto sobre o qual o capitão não entende.

Desde a campanha eleitoral, Bolsonaro manifesta seu desconhecimento a respeito do tema. Delegou o assunto ao hoje ministro da Economia, Paulo Guedes, apelidado de Posto Ipiranga.

Na prática, viu-se que era verdade. Maior feito do governo nesta área, a aprovação da reforma da previdência foi mérito de Guedes e, principalmente, do Congresso.

 

Mesmo assim, apesar do otimismo de alguns setores, as melhoras na economia ainda são tênues. O nível de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), por exemplo, mantém-se no nível do antecessor no Planalto, Michel Temer, responsável por tirar o país da recessão.

Os governistas também aplaudem a queda nos índices de violência. Embora significativa, a tendência de redução nesses números vem da administração anterior e tem mais a ver com os governos estaduais do que com o federal.

Neste rápido balanço, convém ressaltar que, nas questões éticas – bastante exploradas na campanha –, Bolsonaro chega ao final do primeiro ano com a imagem desgastada pelos rolos do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) e do amigo Fabrício Queiroz. Embora nenhuma denúncia tenha atingido o governo, o envolvimento do “Zero Um” com “rachadinhas” e milícias tira a legitimidade do discurso moralista.

A depender da evolução das investigações, o possível entrelaçamento da família com o submundo de crimes pode desestabilizar o presidente e atrapalhar o desempenho do governo. Até quem não entende de economia sabe desse risco.

PUBLICIDADE