Internacional Saúde

Apesar de grande demanda externa, Rússia só exportará vacina após atender mercado interno

Sputnik / Assessoria de imprensa do RFPI

Ministro da Saúde da Rússia afirma que diversos países encomendaram a vacina russa contra a COVID-19, mas que a exportação do medicamento não será para já.

Em declaração a jornalistas, o ministro da Saúde russo Mikhail Murashko disse:

“Por enquanto, não vamos vender nada [ao exterior]. Temos recebido muitas ligações, mas em primeiro lugar precisamos produzir vacinas para o mercado interno. A produção já começou.”

Murashko reforçou que a Sputnik V será inicialmente aplicada a trabalhadores da área da saúde, os quais interagem com pacientes dos grupos de risco.

Além disso, a “primeira vacina será produzida neste mês”, acrescentou Murashko. O ministro também se incluiu entre as pessoas que vão ser vacinadas. A Rússia pretende distribuir a vacina “para todas as regiões a diferentes categorias de cidadãos”.

Riscos

Enquanto ecoam vozes de dúvidas sobre a eficiência e riscos da vacina russa pelo mundo, o ministro também anunciou que nos próximos dias seu país liberará mais detalhes sobre os testes da vacina.

Perguntado por jornalistas sobre a influência da Sputnik V no sistema reprodutor, Murashko respondeu que “no geral, não existem limitações ao uso da vacina”, contudo, “nas vésperas da gravidez não é conveniente se vacinar”.

PUBLICIDADE