Política

Apoiado por Bolsonaro, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) é eleito presidente do Senado

Rodrigo Pacheco (DEM-MG) discursa no Senado (Foto Marcos Oliveira/Agência Senado)

Ele ganhou por 57 votos contra 21 dados a Simonte Tebet (MDB-MS); 78 senadores participaram do pleito

Por Fabíola Salani

Apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG)  foi eleito, nesta segunda-feira, presidente do Senado pelo período de 2021-2023. Ele teve 57 votos, contra 21 que foram dados a Simone Tebet (MDB-MS). Participaram do pleito 78 dos 81 senadores. Pacheco é a 68ª pessoa ocupar o cargo de presidente do Senado. Ele sucede Davi Alcolumbre (DEM-AP), que trabalhou por sua candidatura.

Estavam aptos a votar 80 dos 81 senadores. Flagrado em operação da Polícia Federal com mais  de R$ 30 mil em dinheiro na cueca, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR) está licenciado. Ele não foi tirado do cargo, apesar do escândalo, ocorrido em outubro do ano passado. Ele era um dos vice-líderes do governo Jair Bolsonaro (sem partido) na casa.

Em licença médica após uma cirurgia, Jacques Wagner (PT-BA) não votou. Também não foi a Brasília Jarbas Vasconcelos (MDB-PE). Ele apresentou sintomas de gripe e, por isso, cancelou a viagem.

Depois que Jorge Kajuru (Cidadania-GO)Major Olímpio (PSL-SP) e Lasier Martins (Podemos-RS) retiraram suas candidaturas em favor de Simone Tebet, só restaram na disputa a emedebista e Pacheco.

Logo depois que todos os 78 senadores votaram, Alcolumbre mostrou que tinham restado duas cédulas tinham restado. Ele as rasgou, para “não ter perigo”, segundo os senadores ao redor.

A fala foi uma alusão à última eleição para a presidência do Senado, em que foram contabilizados 82 votos, apesar de haver apenas 81 senadores.