Política

Apoiador de Trump, que firmou contratos com PRF e Defesa, mudou objeto social de empresa no mês em que Bolsonaro tomou posse

Daniel Beck/Reprodução

Principal responsável pela empresa no Brasil diz que pediu apoio a Eduardo Bolsonaro no início do 2020

Por Luisa Fragão

A empresa Combat Armor Defense do Brasil, do norte-americano Daniel Beck, conhecido apoiador de Donald Trump, teve seu objeto social alterado no mês em que Jair Bolsonaro tomou posse, em 2019. De prestação de serviços de publicidade, a marca passou a ser voltada para a área de segurança no Brasil.

Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, o principal responsável pela empresa no Brasil, Maurício Junot de Maria, relatou que, no início de 2020, procurou o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para fazer lobby. Ele teria ido à Câmara para “pedir apoio” ao parlamentar.

Junot disse que a conversa com o deputado durou cinco minutos. Ele diz que apresentou a Eduardo um dos produtos desenvolvidos pela empresa. Apesar do encontro com o parlamentar, o responsável pela Combat Armor no Brasil disse que os negócios da empresa não têm relação com a política e que “não é partidário”.

A empresa, que hoje atua com blindagem e venda de veículos, já firmou milhões de reais em contratos com o governo federal. Após vencer pregões para o registro de ata de preços junto à Polícia Rodoviária Federal no Rio, a Combat Armor já assinou três contratos para blindagem de veículos, no valor total de R$ 8,3 milhões.

Além disso, ganhou disputa no Ministério da Defesa para o fornecimento de veículo blindado por R$ 273 mil. A empresa também venceu licitação da Polícia Militar do Rio de Janeiro para aquisição de veículos blindados para transporte de pessoal, em um contrato de R$ 9 milhões.

Daniel Beck

Adepto a teorias da conspiração, Daniel Beck endossou o discurso de Trump de que a eleição contra Joe Biden foi fraudada. No dia 5 de janeiro deste ano, inclusive, ele participou de reunião com outros aliados do ex-presidente americano no Trump International Hotel, em Washington.

Nas redes sociais, Daniel Beck chegou a postar um vídeo dizendo que havia se encontrado com Rudolph Giuliani, então advogado de Trump, e com Michael Lindell, CEO da empresa Mypillow, conselheiro de Trump. Lindell é próximo a Eduardo Bolsonaro, que também estava em Washington naquele dia.

O encontro ocorreu na véspera da invasão ao Capitólio. Daniel Beck foi um dos participantes da marcha em Washington que terminou no ataque ao Congresso norte-americano.