Política

Após chamar Guedes de desequilibrado, Maia pede desculpas a ministro

RODRIGO MAIA E PAULO GUEDES. FOTO: AGÊNCIA BRASI

Presidente da Câmara dos Deputados fala em retomar união por reformas

Após serem protagonistas de um conflito público, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ministro da Economia, Paulo Guedes, levantaram a bandeira branca nesta segunda-feira 5 e prometeram união pelo andamento da agenda econômica no Congresso.

Após jantar com ministros e parlamentares na residência do ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU), Maia pediu desculpas publicamente a Guedes pelas declarações feitas na semana passada.

Maia reforçou que é preciso dar andamento às reformas tributária e administrativa e tirar um programa de renda mínima do papel sem comprometer o teto de gastos.

“O teto de gastos é a primeira de nossa urgências porque com a regulamentação do teto a gente resolve o programa social”, disse Maia, em declaração à imprensa, após o jantar.

Na semana passada, o presidente da Câmara chegou a chamar o ministro de “desequilibrado” após Guedes falar que Maia estava articulando com a oposição obstáculos a privatizações. “Semana passada até, deixo aqui meu pedido de desculpas, fui indelicado e grosseiro e (isso) não é do meu feitio.”

O parlamentar expressou “gratidão” por Guedes tê-lo apoiado na disputa pela presidência da Câmara. A partir desta terça-feira 6 segundo Maia, é preciso retomar os trabalhos com união. O parlamentar destacou que a agenda de reformas não pode parar por causa das eleições municipais.

 

“Vamos fazer juntos”, diz Guedes

Já Guedes declarou que haverá união para andamento da agenda econômica no Congresso.

O ministro voltou a defender a aprovação de um programa de renda básica para 2021 e uma medida de desoneração da folha salarial para gerar “empregos em massa”.

Além disso, repetiu compromissos com o envio de outra etapa da reforma tributária, pontuando que o prazo depende da articulação política.

“Essas coisas estão basicamente prontas, mas quem dá o timing das reformas sempre é a política”, disse o ministro.

O programa de renda, reforçou Guedes, será bastante diferente e mais estruturado em comparação ao auxílio emergencial. Sem entrar em detalhes, o ministro declarou que o modelo vai juntar 27 programas sociais. O pacto federativo no Senado, pontuou, irá absorver ainda diapositivos do Orçamento de Guerra, em vigor durante a pandemia de Covid-19.

Após Maia pedir desculpas a Guedes por declarações feitas na semana passada, o ministro foi questionado se faria o mesmo.

“Eu nunca ofendi o presidente Rodrigo Maia. Isso não tem problema. Isso não é ofensa pessoal. Isso foi uma troca de opiniões”, disse.

Na semana anterior, Guedes afirmou que Maia fechou um acordo com a oposição para não pautar privatizações, expondo mais uma vez atritos com o parlamentar.

“Caso eu tenha ofendido o presidente Rodrigo Maia ou qualquer político, eu posso ter ofendido inadvertidamente, eu posso pedir desculpas também. Não há problema”, afirmou o ministro.

PUBLICIDADE