Internacional Política

Biden anuncia retorno dos EUA à OMS e ao Acordo de Paris e medidas de Trump que serão anuladas

Joe Biden durante anúncio de parte de sua equipe, em 16 de janeiro de 2021 — Foto: Kevin Lamarque/Reuters

O gabinete de transição do presidente eleito dos Estados UnidosJoe Biden, anunciou na manhã desta quarta-feira (20), horas antes da posse, uma série de medidas que serão tomadas no primeiro dia no cargo.

Entre as principais estão medidas sanitárias e econômicas de combate à pandemia, o retorno dos EUA à OMS (Organização Mundial da Saúde) e ao Acordo de Paris para o Clima e a reversão de várias outras decisões do atual presidente americano, Donald Trump, como a construção do muro na fronteira com o México e o veto à entrada de cidadãos de países muçulmanos nos EUA.

O gabinete de transição afirmou que as ações executivas visam adotar “ações para lidar com a pandemia da Covid-19, fornecer alívio econômico, combater as mudanças climáticas e promover a igualdade racial”.

Segundo o comunicado, Biden “assinará uma combinação de ordens executivas, memorandos, diretivas e cartas para dar os passos iniciais” horas após a posse, que está marcada para o meio-dia em Washington (14h em Brasília).

“O presidente eleito Biden agirá não apenas para reverter os danos mais graves do governo Trump, mas também para começar a fazer nosso país avançar”, aponta o comunicado.

 

Veja as principais medidas anunciadas:

Meio ambiente

  • Retorno ao Acordo de Paris para o Clima;
  • Reverter as ações ambientais de Trump “para proteger a saúde pública e o meio ambiente e restaurar a ciência”;

Saúde

  • Acabar com o processo de saída dos EUA da OMS (Organização Mundial da Saúde);
  • Obrigar o distanciamento social e o uso de máscaras em prédios e áreas federais e por funcionários públicos do governo e terceirizados;

Política externa

  • Parar a construção do muro na fronteira com o México;
  • Reverter o veto de Trump à entrada de cidadãos de países muçulmanos nos EUA;

Economia

  • Estender a moratória para despejos até 31 de março;
  • Estender a pausa no pagamento de financiamentos estudantis até 30 de setembro;

Outras medidas

  • Lançamento de uma série de iniciativas governamentais para promover a igualdade racial;
  • Prevenir e combater a discriminação com base no gênero ou na orientação sexual.