Geral

Bolsonaro – Acima do limite do asco

José Dias/PR

Quando pensamos que já esgotou a capacidade do Bolsonaro provocar asco em quem o ouve ou vê, mesmo que on-line, eis que ele saca mais uma do seu arsenal e dispara suas “bombas de humor” fétido dizendo “perolas” que envergonhariam até as meninas que “rodam bolsa” nas esquinas da vida.

Hoje, o que li no site Metrópoles e que reproduzo abaixo, me fez, ainda cedo da manhã, recorrer a um  Dramin  para “segurar a onda” e continuar mais um dia de trabalho.

Alguém precisa dizer ao presidente que o humor dele é de baixíssimo calão, que nem mesmo nos cabarés de garimpos, faria alguém rir. Muito menos nos salões dos Palácios presidenciais.

Se já não foi suficiente a vergonha que sentimos ao ver o presidente do Brasil, desfilar igual a leproso em reuniões internacionais, onde chefes das demais nações o evitam mais do que a AIDS, na matéria em questão, a fanfarronice sexual, do presidente fez muitos  baixarem a cabeça e se perguntar: O que esse cara faz aí?????  Mas, como minha mãe dizia: “Muito trovão é sinal de pouca chuva”. Talvez a propaganda seja maior  que a realidade, e de tão rara, quando acontece ele deseja que vire notícias. Mas aconteceu de verdade? Acredito que seja mais um dos inúmeros “fakes” de sua excelência o rei da “vexa”.

Leiam a seguir a matéria do Metrópoles e se tiverem estômago, assistam ao vídeo:

 

 

Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

Bolsonaro constrange plateia com “bom dia” a Michelle; vídeo

Bolsonaro voltou a expor detalhes íntimos da vida sexual com Michelle em uma cerimônia pública do governo federal

 

Em um evento no Planalto na manhã desta quinta-feira, Jair Bolsonaro constrangeu a primeira-dama Michelle Bolsonaro e os presentes, ao dar bom-dia à plateia e dizer que havia dado um “bom-dia muito especial” a Michelle, numa provável insinuação sobre a vida sexual do casal.

O presidente volta e meia faz alusão a detalhes íntimos de sua vida sexual — sempre com conotação positiva. Certa vez, disse ser “imbrochável”.