Geral

Carrefour acaba com terceirização de seguranças após assassinato de João Alberto Freitas

“O novo modelo é o ponto inicial para transformação do seu modelo de segurança e faz parte dos compromissos anunciados pela rede. O processo de recrutamento e o treinamento dos profissionais para as lojas contará com associação que reúne empreendedores negros da região de Porto Alegre”, escreveu o grupo

Sputnik

O Carrefour anunciou nesta sexta-feira (4) que não vai mais contratar seguranças terceirizados em todos os supermercados do grupo no Brasil.

A decisão foi tomada após uma sugestão do Comitê Externo e Independente criado pela rede para analisar medidas preventivas após o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, homem negro de 40 anos, que foi espancado até a morte por dois seguranças terceirizados em uma loja do grupo em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, em 19 de novembro, véspera do dia da Consciência Negra.

Segundo um comunicado do Carrefour, a internalização dos serviços segurança será realizada de forma gradual, começando pelos quatro hipermercados no Rio Grande Sul, dentro de um projeto-piloto.

“O novo modelo é o ponto inicial para transformação do seu modelo de segurança e faz parte dos compromissos anunciados pela rede. O processo de recrutamento e o treinamento dos profissionais para as lojas contará com associação que reúne empreendedores negros da região de Porto Alegre”, escreveu o grupo.

O Grupo Carrefour é alvo de investigação da Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos de Porto Alegre e pelo Ministério Público Federal (MPF) para apurar práticas sobre a fiscalização de serviços de segurança contratados e também sobre medidas para o enfrentamento de ações racistas e discriminatórias.

“Todo o processo de internalização da segurança terá como foco a implementação de práticas antirracistas e de uma cultura de respeito aos direitos humanos, além de considerar a representatividade da população brasileira [50% de mulheres e 56% de negros] como um compromisso”, disse o Carrefour.

A contratação direta das novas equipes de segurança do Carrefour está em andamento e a admissão dos novos funcionários está prevista para ocorrer no dia 14 de dezembro.

​Na Justiça, o grupo também vai responder em uma ação civil pública que pede indenização de R$ 200 milhões por danos morais coletivos e sociais.

A morte de João Alberto desencadeou uma série de protestos em diversas cidades do Brasil que pediam o fim do racismo.