Política

Chefe da Abin enviou relatório diretamente para Flávio Bolsonaro

Marcelo Bormevet, ABIN e Flávio Bolsonaro (Foto: Reprodução | Jefferson Rudy/Agência Senado)

Após a revelação de que a Abin produziu relatórios para ajudar a defesa de Flávio Bolsonaro no caso Fabrício Queiroz, o governo Jair Bolsonaro criou uma estrutura dentro da própria agência para agir às escuras. Vários pedidos foram enviados, sem intermediários, do gabinete do diretor da PF, Alexandre Ramagem, para o agente Marcelo Bormevet

247 – O governo Jair Bolsonaro criou uma estrutura batizada de Coordenação-geral de Credenciamento de Segurança e Análise de Segurança Corporativa dentro da própria Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A informação foi publicada pela revista Crusoé.

Subordinada ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI), comandado pelo generla Augusto Heleno, a Abin produziu relatórios para ajudar a defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) a embasar um pedido de anulação do caso Fabrício Queiroz. O parlamentar teria repassado os documentos para advogados e “pessoas de confiança”.

O órgão na agencia tem como chefe o agente da Polícia Federal Marcelo Bormevet, que integrou com o diretor da Abin, Alexandre Ramagem, a equipe de segurança de Bolsonaro na campanha eleitoral de 2018.

A ideia é fugir de procedimentos legais e agir às escuras. Vários pedidos foram enviados diretamente e sem intermediários do gabinete de Ramagem para o de Bormevet.