Economia Internacional

China planeja lançar yuan digital em 2021 e abolir dinheiro em espécie

 
 

O Banco Popular da China divulgou planos de ter sua moeda digital soberana pronta a tempo para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022. Testes limitados já estão em andamento em Shenzhen, Suzhou, Chengdu e na Nova Área de Xiongan.

Sputinik News – O Banco Popular da China revelou planos de ter sua moeda digital soberana pronta a tempo para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022.

Testes limitados já estão em andamento em Shenzhen, Suzhou, Chengdu e na Nova Área de Xiongan, na província norte de Hebei, disse o governador do Banco Central, Yi Gang, afirmando a repórteres que o governo da China planeja realizar testes piloto nas instalações olímpicas, embora ainda não exista um cronograma oficial para a liberação.

Um membro anônimo do Conselho de Estado com conhecimento do projeto disse à Nikkei Asian Review que se o governo estiver satisfeito com os resultados dos testes deste ano, a moeda “será emitida no próximo ano”, caso contrário, “mais testes serão realizados no próximo ano”.

O yuan digital será vinculado ao número de celular do titular, com as transações ocorrendo por meio de um aplicativo, onde os usuários poderão transferir dinheiro entre contas. A moeda terá curso legal, podendo ser trocada sem a necessidade de um banco como intermediário.

© SPUTNIK / ALEKSANDR DEMYANCHUKYuan chinês

A quantia das transações seria limitada com base na verificação de identidade. Apenas o número de telefone só permitiria pequenas transações, enquanto que fornecendo prova de identidade ou foto de um cartão de débito aumentaria o limite. Falar pessoalmente com um representante do banco poderia permitir que o limite máximo fosse totalmente removido.

Já as atividades criminosas suspeitas seriam descobertas por meio de históricos de transações.

De acordo com Eddie Yue, executivo-chefe da Autoridade Monetária de Hong Kong, tornou-se mais fácil usar e popularizar novas tecnologias de pagamento, uma vez que preocupações crescentes com coronavírus fazem com que os consumidores prefiram moedas digitais a dinheiro físico.

PUBLICIDADE