Política

Ciro diz que vai para Tonga da Mironga da Kabuleté

Ao que parece o imaculado Ciro Gomes não vota em ninguém que não seja em si mesmo.

Pelo que se tem ouvido no presidenciável, em sua avaliação, só ele e mais ninguem é digno de assumir a presidência do Brasil.

Ciro é famoso pela sua metralhadora contra deus e todo mundo que se oponha a sua imaginária e impossível posse como titular da cadeira do Planalto.

Destemperado, parece que Ciro tem mesmo é que sair do país para  poupar a população de ouvir  tantas asneiras contra seus adversários. A favor de sí mesmo repete sempre o mantra :” Já fui prefeito, deputado, ministro e…”  faltou acrescentar: fujão.

Quando soube da morte do príncipe Philip, Ciro deve ter incorporado o venezuelano  Juan Guaidó (aquele que foi sem nunca ter sido ou viúva Porcina),  e enviou uma carta a raínha  Elizabeth II em nome do país. Detalhe: Gomes não tem qualquer cargo no governo federal que o credencie a falar em nome do país e dos brasileiros.

Recentemente sugeriu a Lula que fosse seu vice numa chapa para 2022. Como dizem por aí: Há louco pra tudo.

Leiam o que ele diz abaixo na matéria do portal Brasil247:

 

Ciro diz que irá a Paris com ainda mais convicção num eventual segundo turno entre Lula e Bolsonaro

Pré-candidato do PDT disse ao jornal O Globo que anulará o voto se tiver que escolher entre Lula, que foi preso político durante 580 dias, e Jair Bolsonaro

(Foto: Reprodução)

 

247 – Ciro Gomes, que foi a Paris no segundo turno da eleição de 2018, disse que fará o mesmo em 2022, caso a opção seja entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que deixou o cargo com 87% de aprovação e foi preso político durante 580 dias, o Jair Bolsonaro, que é ligado às milícias e conduz um processo de destruição completa do Brasil. “Eu viajaria a Paris no 2º turno com mais convicção. PT nunca mais”, afirmou ao jornalista Paulo Cappelli, do Globo, neste domingo.

PUBLICIDADE

Na entrevista, Ciro deixou claro que seus aliados preferenciais são os partidos da centro-direita, como PSDB e DEM. “Vou conversar com o PSDB, que hoje tem problema interno que não vou interferir. A esmagadora maioria acha inconveniente a candidatura do Doria. Falo isso porque tenho relação íntima com muitos no PSDB, como o Tasso. Se o Doria insistir, vão lançar prévias com Eduardo Leite. O Eduardo Leite vencendo, o PSDB ficará mais flexível para compor”, afirmou. “Com o DEM há conversa que já deu frutos. Com apoio do PDT, que indicou a vice, o candidato do ACM Neto, presidente do DEM, venceu a eleição no primeiro turno em Salvador. Com o PSD, fomos de apoio ao Kalil em BH e iremos apoiá-lo no ano que vem ao governo de Minas.”

Questionado sobre sua ida a Paris em 2018, ele foi ainda mais enfático agora. “Eu faria hoje com muito mais convicção. Em 2018, fiz com grande angústia”, afirmou, deixando claro que poderá anular seu voto. “Como brasileiros não podem viajar para a França pela pandemia, nesse caso vou para Tonga da Mironga do Kabuleté”.