Eleições 2020 Política

Covas e Boulos disputam segundo turno para a Prefeitura de SP

A votação está marcada para o dia 29 de novembro

O candidato à reeleição em São Paulo, Bruno Covas (PSDB), disputará o segundo turno da eleição municipal com Guilherme Boulos  (PSOL).  De acordo com a Justiça Eleitoral, com 99,67% dos votos apurados neste domingo 15, o tucano obteve 1,747,938 votos, o que corresponde a 32,85% dos votos válidos. O concorrente do PSOL recebeu 1,077,168 votos, o equivalente a 20,24%.

A votação do segundo turno está marcada para o dia 29 de novembro.  A partir de agora, as duas campanhas terão o mesmo tempo de televisão (10min) e participarão de todos os debates promovidos pela imprensa.

Conheça os candidatos: 

Bruno Covas 

FOTO: PATRÍCIA CRUZ/ PREFEITURA SP

O atual prefeito de São Paulo Bruno Covas foi influenciado desde cedo pela política: dos 15 aos 21 anos de idade, morou com o seu avô, o ex-governador Mário Covas.

Filiou-se ao PSDB em 1998, mas sua carreira pública só começou em 2004, quando se lançou candidato a vice-prefeito de Santos. Não se elegeu.

Entre 2005 e 2006, foi assessor dos governadores Geraldo Alckmin e Cláudio Lembo.

Bruno Covas foi eleito deputado estadual em 2006 e em 2010, reelegeu-se.

Atuou como secretário do Meio Ambiente da gestão Geraldo Alckmin em SP em 2011.

Três anos depois, foi eleito deputado federal, votando a favor do processo de impeachment de Dilma Rousseff e da PEC do Teto dos Gastos.

Em 2016, foi eleito vice-prefeito de São Paulo na chapa com João Doria, chefiando a secretaria das Prefeituras Regionais e secretaria da Casa Civil.

Quando Doria renunciou para disputar o governo de SP, em abril de 2018, Bruno Covas assumiu o posto como o mais jovem prefeito desde a redemocratização.

 

Guilherme Boulos

BOULOS E ERUNDINA EM CAMPANHA. FOTO: REPRODUÇÃO REDES SOCIAIS

Líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos tenta, pela primeira vez, ser prefeito de São Paulo. Antes, em 2018, filiou-se ao PSOL e foi candidato à Presidência na eleição daquele ano, quando teve 617 mil votos ou 0,58% do total de válidos.

Agora, com Luiza Erundina na chapa como vice, Boulos busca se viabilizar como a alternativa de esquerda com mais chance de ir ao segundo turno na capital paulista.

Antes de oficializar a candidatura, Boulos defendeu a formação de uma frente ampla de esquerda na eleição de São Paulo, mas não obteve êxito.

Coordenador nacional do MTST, Guilherme Boulos é defensor da desapropriação de prédios ociosos e abandonados para abrigar famílias sem moradia.

A posição, muitas vezes, é associada a vandalismo, mas o candidato rebate com o argumento de que imóveis têm função social, de acordo com a Constituição.

PUBLICIDADE