Covid-19 Saúde

Covid-19 transforma o mercado de trabalho médico; tendências que você deve saber

Imagem - Pixabay

 

 

Os estudantes de medicina que estão se preparando para a prática da profissão estão fazendo isso em um momento em que a realidade econômica do mercado – totalmente abalado pela pandemia Covid-19 – é menos favorável do que era no início de 2020.

Uma pesquisa recente conduzida pela Merritt Hawkins, empresa norte-americana de recrutamento na área de saúde, mostrou que os médicos estão vendo menos pacientes, ganhando menos dinheiro e fazendo reduções de pessoal durante a pandemia, reforçando a incerteza financeira que impactou todos os setores, inclusive o da saúde, neste período sem precedentes.

Mas o que isso significa para o mercado de trabalho dos médicos em vias de conclusão de curso? Saiba um pouco mais sobre o panorama do mercado de trabalho médico nos dias de hoje e as tendências para os próximos anos.

Princípios para navegar no mercado de trabalho médico em um mundo pós-pandêmico

Após ter sobrevivido a uma pandemia e provavelmente com algumas cicatrizes da batalha para mostrar, você está terminando a residência este ano. Agora você está começando a procurar seu primeiro emprego “de verdade”, no mercado de trabalho médico mais turbulento e imprevisível das últimas gerações.

Com tanta incerteza – hospitais e clínicas dispensando funcionários, cirurgias eletivas canceladas, uma economia à beira da recessão – como você pode planejar movimentos de carreira de longo prazo quando tudo ao seu redor está mudando a cada minuto?

Para os graduados em medicina que procuram o primeiro emprego, não há melhor momento do que o presente para se posicionar para ter sucesso em um cenário de saúde em rápida evolução. Se você puder prever como os cuidados com a saúde estão se transformando, poderá ver além do caos e traçar sua própria carreira com sucesso.

Então o que o futuro reserva para os médicos recém-formados? Aqui estão seis fatores a serem considerados enquanto você navega para mapear novas oportunidades na área da saúde:

1. Pense fora do consultório.

Obviamente a maioria dos pacientes continuará recebendo cuidados dentro de uma clínica. Nada pode substituir a importância diagnóstica e terapêutica das interações face a face com um paciente. No entanto, cada vez mais, os cuidados de saúde estão saindo do consultório. Pacientes com experiência em tecnologia esperam que o atendimento seja tão conveniente quanto solicitar um serviço online. Ao mesmo tempo, muitos dos pacientes de maior risco são aqueles que não vêm ao consultório, seja porque estão muito enfermos, incapazes ou simplesmente desligados. Para se manter relevante para esses pacientes e se preparar para o “sistema de saúde do futuro”, procure uma prática médica que esteja tão comprometida em cuidar dos pacientes fora das quatro paredes do consultório médico quanto dentro dela.

2. Prepare-se para atender a população mais vulnerável.

Entre as dolorosas lições da pandemia está o quão vulnerável é a população de mais de 65 anos. Então, nos próximos anos, aqueles acima dessa faixa de idade precisarão de médicos dedicados que possam atender as necessidades especiais de uma população que envelhece, incluindo geriatras, especialistas em saúde comportamental e cuidados paliativos. Todos os médicos serão cada vez mais chamados para cuidar de pessoas mais velhas e os profissionais que aceitarem esse desafio não apenas serão muito procurados, mas encontrarão uma vocação profunda e significativa nesta missão.

3. Pense fora do hospital.

A Covid-19 expôs ineficiências profundas e insustentáveis ​​na compensação hospitalar. À medida que mais cuidados são prestados em ambientes ambulatoriais, o futuro parece que cada vez mais estará fora das quatro paredes do hospital. Os candidatos que estão preparados para os modelos de cuidados do futuro devem considerar as práticas que adotem o atendimento ambulatorial baseado na comunidade.

4. Os relacionamentos com os pacientes não podem ser substituídos.

A pandemia também acelerou o ritmo das interrupções nos cuidados de saúde. As clínicas se conectaram para oferecer atendimento remoto aos pacientes, as empresas de tecnologia lançaram gadgets sofisticados que podem rastrear a saturação de O2 e o ritmo cardíaco. Sem dúvida, de agora em diante a quantidade de dinheiro e tecnologia investida na área de saúde só aumentará. Ainda assim, nada pode substituir a importância da relação médico-paciente. Em um mundo da saúde que muda dia a dia, encontre uma prática onde você possa desenvolver e manter relacionamentos de longo prazo com os seus pacientes e onde eles ocupem o centro de tudo.

5. A medicina é uma profissão de equipe.

Os dias do médico como um gênio solitário estão rapidamente retrocedendo (desculpe os fãs da série de TV “House”). À medida que a medicina se torna cada vez mais complexa, o atendimento de qualidade ao paciente depende de equipes que trabalham juntas. Procure práticas que tenham uma cultura de colaboração verdadeira, onde os médicos trabalham lado a lado com colegas de várias disciplinas, incluindo farmacêuticos, assistentes sociais, nutricionistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, especialistas em saúde comportamental, entre outros.

6. Siga suas paixões.

Depois de meses preso em uma bolha da Covid-19 – e com anos de treinamento – talvez seja um bom momento de apertar o botão de pausa e refletir sobre as mudanças nas prioridades. Você passou incontáveis horas estudando, treinando e cuidando de pacientes doentes durante os turnos nas enfermarias dos hospitais. No final do dia, o que irá sustentá-lo durante os altos e baixos de uma carreira médica é o significado que você encontra em “cuidar” dos outros. Siga suas paixões. Faça a diferença no mundo.