Cidade CLDF GDF LGBT Sociedade

Criado protocolo de atendimento à população LGBTI

Foto: Vinícius de Melo / Agência Brasília
 
 

Termo de Compromisso foi assinado pelo vice-governador Paco Britto durante solenidade em homenagem às pessoas trans

 

LUCÍOLA BARBOSA, DA AGÊNCIA BRASÍLIA
O vice-governador Paco Britto assina o Termo de Compromisso: mais dignidade para a população LGBTI | Foto: Vinícius de Melo / Agência Brasília

Na manhã desta quarta-feira (29), foi assinado o Termo de Compromisso referente à portaria que estabelece um protocolo de atendimento à população LGBTI no Sistema Socioeducativo do Distrito Federal, pelo vice-governador Paco Britto. O ato (veja como foi no vídeo abaixo), que tem como foco o respeito, a identidade de gênero e a orientação sexual, fez parte da quarta solenidade realizada em homenagem às pessoas trans, data alusiva ao Dia Nacional da Visibilidade Trans, comemorado em 29 de janeiro.

Assista ao vídeo:

Promovida pelo Governo do Distrito Federal (GDF), por meio da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), a cerimônia, no Salão Nobre do Palácio do Buriti, tem o intuito de ressaltar a importância da diversidade e o respeito ao movimento trans, representado por travestis e transexuais. Um público estimado em 120 pessoas pôde acompanhar a programação cultural, especialmente preparada com as cores rosa e azul, em alusão à luta contra a transfobia.

“Um dos papéis mais importantes de um governo é garantir que todos os cidadãos tenham seus direitos preservados, garantindo, assim, saúde, educação, segurança e cidadania às pessoas”, salientou Paco. “Por isso esta manhã é tão importante: porque me alegra fazer parte de um governo que está garantindo dignidade aos cidadãos da nossa capital e me orgulha saber que o governo Ibaneis Rocha está dando um passo importante para garantir que as identidades de homens e mulheres trans, mais do que respeitadas, estejam sendo reconhecidas.”

Tratamento humanizado

Para Paco Britto, o ato visa assegurar um tratamento humanizado de jovens atendidos no Sistema Socioeducativo do DF. “É certo que não podemos ignorar a violência que a comunidade LGBTI ainda sofre no nosso país, e o GDF está junto nesse combate à discriminação”, reforçou.

A coordenadora de Diversidade LGBT da Sejus, Paula Benett, falou sobre as décadas de preconceitos enfrentados pela comunidade LGBTIs. “Estamos vislumbrando avanços na pauta. Mas é preciso avançar mais”, frisou.

Participaram também do encontro o secretário substituto de Justiça e Cidadania, Maurício Antônio do Amaral Carvalho; os deputados Érika Kokay (federal) e Fábio Félix (distrital); a promotora de Justiça do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), Mariana Távora; a delegada-chefe adjunta da Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa ou por Orientação Sexual, ou Contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência (Decrin), Cyntia Cristina de Carvalho e Silva; o subsecretário do Sistema Socioeducativo, Demontiê Alves; a escritora, atriz e professora Luana Morena, representante da população trans; membros da comunidade LGBTI e simpatizantes da causa, entre outros.

Luta pontual

A data de 29 de janeiro representa a luta cotidiana pela garantia de direitos e pelo reconhecimento da identidade das pessoas trans, principalmente, no caso daquelas que se encontram em situação de vulnerabilidade.

PUBLICIDADE