Abusos Política

Depois de destruir 4,4 milhões de empregos e o setor de óleo e gás, ex-juiz parcial Moro ataca o Partido dos Trabalhadores

(Foto: ABr | Reprodução)

Ex-juiz declarado suspeito pelo Supremo Tribunal Federal não gostou de ser responsabilizado pela alta dos combustíveis e pela mudança na política de preços da Petrobrás, que empobrece os brasileiros

O ex-juiz parcial Sérgio Moro, que foi declarado suspeito pela mais alta corte do Brasil, não gostou de ser responsabilizado pela quebra das construtoras brasileiras e do setor de óleo e gás, criando as condições para o golpe de 2016, que alterou a política de preços da Petrobrás, fazendo com que os brasileiros paguem hoje a gasolina mais cara em um século, transferindo renda do Brasil para acionistas privados, sobretudo internacionais, da estatal. Nesta manhã, Moro foi ao twitter para retomar suas velhas mistificações:

No entanto, um estudo do Dieese aponta que Moro destruiu 4,4 milhões de empregos no Brasil e, como definiu o economista Uallace Moreira, transformou engenheiros em motoristas de aplicativos. Por isso, mesmo, a presidente do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann (PT-PR), afirmou que Moro será responsabilizado, durante o processo eleitoral, pela mudança na política de preços da Petrobrás, que empobrece os brasileiros.