Cidade

Desempregados recebem cestas básicas da maçonaria

 
 

Entidade doou alimentos e reafirmou parceria com GDF em manter ações, após o período de pandemia, para pessoas mais necessitadas

Quinhentas cestas básicas foram entregues, na tarde desta quinta-feira (20), a ex-trabalhadores que faziam limpeza urbana no Distrito Federal e que, atualmente, estão desempregados. Os alimentos foram doados por meio de entidades maçônicas que, recentemente, assinaram um protocolo de intenções com o programa Todos Contra a Covid, do Governo do Distrito Federal.

Para a desempregada Viviane Cardoso, que mora com dois filhos e dois netos, a ajuda chega em boa hora já que, além do desemprego, também não conseguiu ainda acesso ao auxílio emergencial do governo federal. “A situação está bem difícil. Consigo fazer algumas diárias domésticas, mas não é sempre”, contou.

O mesmo acontece que Maria da Conceição Soares, que após perder o emprego como varredora de ruas, se viu em uma situação complicada. “Nem sempre consigo uma diária porque os patrões não querem contato com quem usa o transporte público e nós não temos dinheiro nem para comprar comida, imagina para ter um carro ou usar transporte em carro particular”, desabafou.

A situação delas e de centenas de outras pessoas que estão vivendo de doações de amigos, parentes e vizinhos, comoveu os grão-mestres da Grande Loja Maçônica do DF, Armando Assumpção, e da Grande oriente do Distrito Federal, Reginaldo Albuquerque, que, assim que receberam a doação das cestas básicas, decidiram entrega-las ao grupo de ex-trabalhadores. “Não é só o governo, mas a sociedade também tem que fazer a sua parte. E é por isso que nos unimos ao GDF para ajudar”, disse Assumpção. “A maçonaria é um centro de união e nos unimos para atenuar, neste momento, as consequências da pandemia nas comunidades mais carentes”, completou Albuquerque.

“Duras consequências”, como enfatizou Edineide Ribeiro de Castro, que mora com três filhos e um neto e tem tido bastante dificuldades para colocar o alimento na mesa da família. “O desemprego é triste, e neste momento, é pior ainda. Minhas crianças querem leite, mas não consigo comprar”, explicou. Assim como Tânia Maria Ramos de Sousa, que embora more apenas com o marido, estão ambos sem emprego e vivendo da solidariedade. “Ainda bem que, pelo menos a comida, nós estamos conseguindo”, comemorou.

Coordenador do programa Todos Contra a Covid, o vice-governador Paco Britto acompanhou a entrega simbólica das primeiras cestas básicas, acompanhado de sua esposa, Ana Paula Hoff.  “Este ato é muito importante porque está fazendo chegar alimento a famílias que estão precisando muito”, frisou. “Levem isso como uma pequena ajuda”, completou Paco.

Protocolo de intenções – Em 24 de abril, os grão-mestres maçônicos estiveram com o vice-governador para a assinatura de um protocolo de intenções onde as entidades se propuseram a auxiliar o governo em ações para amenizar os efeitos da pandemia do novo coronavírus nas famílias mais necessitadas do Distrito Federal.

“De lá para cá, distribuímos toneladas de alimentos, cobertores, materiais de limpeza, graças a união de todos os maçons, que enfrentando seus medos, decidiram se dedicar a quem precisa”, explicou Reginaldo Albuquerque.

“Estamos aqui não só para distribuir cestas básicas, mas para reafirmar o compromisso de que essa nossa caminhada será permanente. Estaremos unidos para buscar soluções e para que a nossa sociedade seja mais justa e que suas dificuldades sejam atenuadas”, completou o grão-mestre Armando Assumpção.

Paco Britto agradeceu, em nome do governador Ibaneis Rocha, o empenho das entidades maçônicas em ajudar o DF. E parabenizou a todos pelo Dia Nacional do Maçom, comemorado no dia 20 de agosto.

PUBLICIDADE