Política

Desesperado, Bolsonaro chama Lula de “carniça” e mente que nunca chamou Covid de ”gripezinha”

Reprodução

Presidente apresentou live com um globo terrestre para “provar” que não é terraplanista

Por Lucas Rocha

Durante transmissão ao vivo realizada nesta quinta-feira (11), o presidente Jair Bolsonaro voltou a usar seus eventos presidenciais para rebater o discurso histórico do ex-presidente Lula, concedido em coletiva realizada no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, na quarta-feira (10).

“Eu quero aqui rapidamente… Em especial àqueles que nos criticam sem qualquer base. ‘Ah, ele abandonou o tratamento do Covid’, ‘é anti-vacina’, ‘ele falou que era uma gripezinha’. Estou esperando alguém mostrar um áudio ou um vídeo meu dizendo que era uma gripezinha”, disse Bolsonaro, repetindo uma mentira que havia dito em novembro.

Ele prossegue, deixando claro que falava de Lula: “Aqueles que dizem que sou terraplanista. O ‘carniça’ ontem falou que eu devia procurar o Marcos Pontes para dizer para mim que a terra é redonda. Olha a qualidade do meu ministro e a qualidade dos ministros do presidiário. E não só o da Ciência e Tecnologia, todos os ministros”.

Na sequência, Bolsonaro ainda rebateu as críticas sobre a demora em comprar vacinas contra a Covid-19, em especial a da Pfizer. Os três temas apareceram no discurso de Lula.

“Era preciso priorizar o dinheiro e comprar as vacinas que pudesse comprar em qualquer lugar do planeta Terra. Nós tivemos momentos que teve vacina que a gente sequer aceitou. A própria Pfizer tentou oferecer vacina, e a gente não quis, a Organização Mundial da Saúde. Porque nós tínhamos um presidente que inventou uma tal de cloroquina. Nós tínhamos um presidente que falava que quem tem medo do covid é maricas, que o covid era uma gripezinha, que o covid era coisa de covarde, que ele era ex-atleta, e que portanto ele não ia pegar. Esse não é o papel, no mundo civilizado, de um presidente da República”, disse Lula na quarta-feira.

Gripezinha

Essa não é a primeira vez que Bolsonaro tenta se distanciar da fala sobre “gripezinha” após o país ter visto a gravidade da doença. Apesar de dizer que nunca tratou a doença dessa maneira, durante entrevista coletiva realizada em 20 de março, o presidente deu a seguinte declaração: “Depois da facada, não vai ser gripezinha que vai me derrubar, não. Tá ok? Se o médico ou o Ministério da Saúde recomendar um novo exame, eu farei. Caso contrário me comportarei como qualquer um de vocês aqui presente”.

Quatro dias depois, em pronunciamento em rede nacional, ele repetiu a expressão falando que não sentiria os efeitos da doença por um suposto “histórico de atleta”.

Efeito Lula

Desde a decisão do ministro Edson Fachin, do STF, de anular todas as condenações de Lula, Bolsonaro tem atacado o ex-presidente e buscado responder às críticas do petista, o mandatário até voltou a usar máscara de proteção em cerimônia oficial. Segundo o colunista Tales Faria, do Uol, Bolsonaro teria entrado “em pânico” após o discurso de São Bernardo.