Economia Política

Diante do caos econômico, Paulo Guedes já cogita retomar auxílio emergencial

Paulo Guedes, Foto: Edu Andrade/Ascom/ME

Ministro diz que medida vai demandar “sacrifícios”, como o congelamento de verbas para saúde e educação

Por Luisa Fragão

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (26) que existe a possibilidade da pasta retomar o auxílio emergencial se o número de mortes por Covid-19 continuar em alta no país.

“Se a pandemia faz uma nova onda, com 1.200 ou 1.300 mortes, sabemos como agir. Mas temos que observar se esse é o caso ou não”, disse o ministro. A informação é da Folha de S.Paulo.

Guedes explicou, no entanto, que a volta do auxílio emergencial vai demandar sacrifícios na economia, como o congelamento de verbas para saúde e educação e de salários de servidores públicos.

“Não é só pegar o dinheiro e sair correndo. Tem que fazer todo o sacrifício”, disse o ministro.

O auxílio emergencial de R$ 600 – posteriormente, R$ 300 – foi concedido durante a pandemia do coronavírus para ajudar aos trabalhadores sem renda.

Em 2020, o país bateu recorde no número de desempregados, segundo o IBGE – cenário que deve permanecer em 2021. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal (PNAD Contínua), apontam que o desemprego fechou o terceiro trimestre do ano com 14,1 milhões de pessoas sem trabalho formal (14,6% da População Economicamente Ativa).