CPI Geral

Do leito do hospital, Bolsonaro ataca CPI e irrita senadores: “Moleque”

Omar Aziz (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

“Entendo o nervosismo com as denúncias de prevaricação e corrupção que se acumulam”, disse Randolfe Rodrigues

whatsapp sharing button

 

Mesmo internado sem previsão de alta no hospital de luxo Vila Nova Star, o presidente Jair Bolsonaro não deixou de atacar a CPI do Genocídio. O mandatário publicou uma sequência de tuítes, o que irritou senadores.

“O que frustra o G-7 é não encontrar um só indício de corrupção em meu Governo. No caso atual querem nos acusar de corrupção onde nada foi comprado, ou um só real foi pago. No circo da CPI Renan [Calheiros], Omar [Aziz] e Saltitante estão mais para três otários que três patetas”, escreveu o presidente. Ele voltou a usar o apelido jocoso “saltitante” para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice da comissão.

Os membros da CPI reagiram à provocação feita por Bolsonaro direto do hospital.

“Senhor Pr… não! Pres… Não. Bolsonaro… Estimo melhoras! A CPI está avançando e nada vai atrapalhar as investigações! Entendo o nervosismo, especialmente com as denúncias de prevaricação e corrupção que se acumulam. Seus ataques só nos estimulam ainda mais. Não vão nos intimidar!”, respondeu Randolfe, fazendo referência a vídeo humorístico crítico à demora na compra da vacina da Pfizer.

Aziz, que é presidente da CPI, criticou o tuíte de Bolsonaro e deu a entender que ele foi escrito por “moleque”. “Não quero acreditar que o presidente Jair Bolsonaro, num leito de hospital, esteja gastando energia pra atacar os senadores da CPI. Deve ter sido um moleque – que não tem coragem de mostrar o que é de verdade – que fica assacando quem o contraria”, declarou. Aziz parece referir-se ao vereador Carlos Bolsonaro.

“Se tivesse tido uma boa criação, talvez hoje tivesse a coragem esperada de um homem. Mas ainda vai crescer muito e levar uns cascudo da vida. Presidente, quero o senhor com saúde para enfrentá-lo no bom debate, com dignidade, sem apelação. É como fazem grandes homens”, completou.