Economia Internacional Política

‘Estariam correndo grande risco’: mídia do Irã avisa EUA contra ações sobre navios rumo à Venezuela

(Foto: MC2 Anderson W Branch)

Uma agência de notícias do Irã avisou os EUA contra a tomada de ações contra vários petroleiros de bandeira iraniana que transportam combustível para Venezuela, tal como ameaçou Washington

Sputnik – “Se os EUA, tal como os piratas, pretenderem criar insegurança nas vias navegáveis internacionais, iriam correr um grande risco e certamente isso não passará sem consequências”, avançou a agência de notícias Nour relativamente a informações de que navios de guerra dos EUA estariam a caminho para interceptar os petroleiros no Caribe.

Na quinta-feira (14), um responsável oficial dos EUA disse à Reuters que o governo do país estava ponderando tomar possíveis ações contra o envio de petroleiros.

“Não é apenas indesejável para os EUA, mas também para a região, nós estamos considerando medidas que possam ser tomadas”, afirmou a autoridade, indicando que Washington acredita, com um “elevado grau de certeza”, que Caracas pretenderia pagar pelo combustível com ouro. Por sua vez, o embaixador do Irã na Venezuela negou categoricamente as alegações.

Ontem a Marinha dos EUA compartilhou fotos de quatro navios de guerra – três destróieres de mísseis guiados e um navio de combate litorâneo – patrulhando na região do Caribe.

Navios da Marinha dos EUA USS Detroit, USS Lassen, USS Preble e USS Farragut navegam em formação durante a realização de operações de segurança marítima na área de responsabilidade do Comando do Sul dos EUA.

De acordo com relatos, cinco petroleiros de bandeira iraniana estão transportando combustível refinado à Venezuela, onde as sanções dos EUA, implementadas há mais de um ano, têm causado danos à economia venezuelana, bloqueando importações de produtos necessários para manter as indústrias em funcionamento.

Como consequência, em janeiro deste ano o país sul-americano foi obrigado a encerrar sua última refinaria de petróleo, significando isso que, embora sua principal matéria-prima de exportação seja petróleo, a Venezuela vive atualmente uma situação de escassez de combustível refinado.