Sociedade

Feminicídio: Juíza do TJ-RJ é morta a facadas pelo ex-marido na frente das filhas

Viviane Arronenzi chegou a ter escolta com dois carros de segurança, mas dispensou a proteção após pedido da filha pequena. Caso ocorreu na véspera do Natal

Por Luisa Fragão

A juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, foi morta a facadas pelo ex-marido, Paulo José Arronenzi, na véspera de Natal, na Barra da Tijuca. O assassinato ocorreu na frente das três filhas do ex-casal, gêmeas de 7 anos e uma de 9.

Segundo informações do jornal O Globo, o autor do crime já havia sido enquadrado na Lei Maria da Penha após denúncia de setembro deste ano. Eles foram casados de 2009 a 2020.

Como medida de proteção contra o homem, a juíza chegou a ter escolta do TJ-RJ com dois carros de segurança, seis homens armados e com habilidades em artes marciais, durante 24 horas por dia.

A vítima, no entanto, acabou dispensando a proteção após pedido de uma de suas filhas, que alegava a ela que o pai “não era bandido”.

Na véspera de Natal, contudo, ao deixar as filhas no condomínio de Viviane, Paulo José a esfaqueou. Ela morreu no local e ele foi preso em flagrante e levado para a Divisão de Homicídios (DH).

Em comunicado, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) “lamentou profundamente a morte da juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, vítima de feminicídio na Barra da Tijuca nesta quinta-feira (24/12)”.