Brasil Economia Educação Trabalho

Governo Bolsonaro insiste em cortar salário dos trabalhadores

Medida deve ser assinada por Bolsonaro nesta quinta-feira (02/04) e entrará em vigor de forma imediata Foto: Carolina Antunes/PR
 
 

Medida vai prever redução de até 100% – e compensação com valor que seria recebido de seguro-desemprego em caso de demissão

Jornal GGN – E mais uma vez o governo Jair Bolsonaro age contra os trabalhadores, ao usar a pandemia de coronavírus para editar uma Medida Provisória que autoriza o corte de salários e jornadas dos trabalhadores em qualquer percentual, podendo chegar em 100%.

E para compensar essa medida, os trabalhadores afetados irão receber uma compensação do governo equivalente a uma parte do que receberiam de seguro-desemprego em caso de demissão. E a complementação tem regras diferentes conforme o porte da empresa.

Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, a medida já recebeu aval do presidente Bolsonaro e será editada até esta quinta-feira (2). Por se tratar de uma Medida Provisória, ela vai entrar em vigor após sua publicação e poderá ser adotada pelos empregadores – caberá ao Congresso validar o texto.

Se a empresa optar pela suspensão de contrato, as regras para os patrões mudam dependendo do faturamento. No caso de uma companhia dentro do Simples (faturamento bruto anual até R$ 4,8 milhões), o empregador não precisa dar compensação ao trabalhador durante os dois meses e o governo vai bancar 100% do valor do seguro-desemprego.

Quando o faturamento superar esse patamar, o patrão deverá arcar com 30% do salário do empregado. O governo entra com 70% do valor do seguro-desemprego.

PUBLICIDADE