Economia GDF

Governo prorroga benefício para transporte escolar

Até agora, 1.707 proprietários de ônibus, micro-ônibus e outros veículos destinados ao transporte coletivo escolar e de turismo receberam três parcelas no valor de R$ 1,2 mil cada | Foto: Arquivo Agência Brasília

Projeto de lei prevê mais três parcelas de R$ 600 e contemplará motoristas do setor de turismo. Investimento do GDF é de cerca de R$ 3,1 milhões

AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: FÁBIO GÓIS

O Governo do Distrito Federal (GDF) vai prorrogar o auxílio financeiro para os proprietários de veículos de transporte escolar e de turismo por mais três meses. O projeto de lei que estabelece a extensão do benefício será encaminhado à Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) nesta terça-feira (20).

O valor total do investimento pelo GDF é de cerca de R$ 3,1 milhões. Além dos escolares, o projeto de lei beneficiará 225 motoristas profissionais ligados ao setor de turismo, atividade que também foi muito afetada pelas medidas de isolamento social.

225 motoristasdo setor de turismo também serão beneficiados

O auxílio começou a ser concedido no mês de junho, no valor de R$ 1,2 mil por mês, devido às medidas impostas pela pandemie da Covid-19. É o que estava previsto na Lei nº 6.621, de 11 de junho de 2020, que aprovou a concessão do auxílio financeiro do Mobilidade Cidadã. Agora, a proposta é de que sejam pagos R$ 600 aos profissionais por mais três meses.

O benefício deve ser concedido aos 1.505 proprietários de ônibus e micro-ônibus ou outros veículos destinados ao transporte coletivo escolar, das redes pública e privada de ensino, que prestam serviço a partir de concessão ou permissão fornecida pela Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob-DF). O objetivo do auxílio é amparar esses profissionais que foram diretamente afetados pela suspensão do funcionamento de escolas e universidades por causa da pandemia.

O secretário de Economia, André Clemente, destaca a importância do benefício, já que os transportadores escolares continuam a ser afetados pela crise sanitária. “O ramo de atividade em que atuam foi um dos últimos a retornar às atividades e, mesmo assim, ainda hoje continuam prejudicados, porque muitos colégios seguem oferecendo as aulas pelo sistema virtual como forma de proteção à pandemia”, explicou.

Leia também

Até agora, 1.707 proprietários de ônibus, micro-ônibus e outros veículos destinados ao transporte coletivo escolar e de turismo receberam três parcelas no valor de R$ 1,2 mil cada. Os dados são da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), responsável pela gestão do programa Mobilidade Cidadã.

As listas dos beneficiários são fornecidas pela Secretaria de Turismo (Setur-DF) e pelo Departamento de Trânsito (Detran-DF). A Sedes operacionalizará o pagamento do benefício assim que a lei for aprovada na Câmara Legislativa.

 

PUBLICIDADE