Cidadania Política

Guedes defende dar restos de comida aos pobres contra a fome

Ministro Economia defendeu utilizar sobras de pratos de comida como política de enfrentamento à insegurança alimentar. “Aquilo dá para alimentar pessoas fragilizadas, mendigos, pessoas desamparadas. É muito melhor que deixar estragar”, afirmou

 

247 – O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta quinta-feira (17) dar restos de comida aos pobres – “pessoas fragilizadas, mendigos, pessoas desamparadas”, como política de combate à fome no Brasil.

Durante participação em evento promovido pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Guedes afirmou que os desperdícios da cadeia produtiva precisam ser mais bem aproveitados para acabar com a fome no país.

“O prato de ‘um classe média’ europeu é pequeno, no nosso, há uma sobra enorme. Precisamos pensar como utilizar esse excesso no dia a dia. Aquilo dá para alimentar pessoas fragilizadas, mendigos, pessoas desamparadas. É muito melhor que deixar estragar”, disse o ministro.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que também participou do evento, fez coro defendendo comprar alimentos fora da validade.

Assista à fala de Paulo Guedes:

Fome alcançou 19 milhões de brasileiros durante a pandemia, diz pesquisa

Um total de 19 milhões de brasileiros sofreram com a fome durante a pandemia ao longo do ano passado. Ele estão entre as 116,8 milhões de pessoas que registraram algum grau de insegurança alimentar no final do ano passado, o que alcança a 55,2% dos domicílios. Situação atual contrasta com as dos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, quando o Brasil saiu do Mapa Mundial da Fome da Organização das Nações Unidas (ONU).

Segundo dados do Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, conduzido pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), publicados pela Folha de S. Paulo, a fome alcançou 11,1% das residências chefiadas por mulheres e para 7,7% nos casos em que o homem é considerado o chefe da família.

A pesquisa aponta, ainda que a disparidade da segurança alimentar é maior entre os gêneros:  35,9% das famílias têm a alimentação garantida e no caso dos homens este índice chega a 52,5%. Quando a pessoa de referência é negra, a fome alcança 10,7% das residências e cai para 7,5% se ela é branca.

O levantamento ressalta que a fome no Basil recuou praticamente ao mesmo patamar registrado em 2004. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) daquele ano, a insegurança alimentar moderada estava em 12% e a grave em 9,5%. Na pesquisa atual, os dados revelam que a insegurança alimentar está em 11,5%, e a grave em 9%.

A pesquisa foi realizada junto a 2.180 residências em todo o país entre os dias 5 e 24 de dezembro, questionando os moradores sobre os três meses que antecederam o momento do estudo.