Política

Marcelo Queiroga, da Sociedade Brasileira de Cardiologia, aceita convite para ser o novo ministro da Saúde, diz Bolsonaro

Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Queiroga esteve reunido com Bolsonaro na tarde desta segunda-feira (15), horas após Pazuello comunicar que continuaria no cargo

Por Ivan Longo

Após os planos de Jair Bolsonaro de substituir o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, pela médica Ludhmila Hajja, irem por água abaixo, o presidente se reuniu com Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), na tarde desta segunda-feira (15), para sondá-lo sobre a possibilidade de assumir a pasta no lugar do general.

Segundo o próprio presidente, Queiroga aceitou o convite e sua nomeação deve ser publicada nesta terça-feira (16) no Diário Oficial da União (DOU). “Foi decidido agora à tarde a indicação do médico, doutor Marcelo Queiroga, para o Ministério da Saúde. Ele é presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia. A conversa foi excelente, já conhecia há alguns anos, então não é uma pessoa que tomei conhecimento há poucos dias. Tem tudo no meu entender para fazer um bom trabalho, dando prosseguimento em tudo que o Pazuello fez até hoje”, disse o presidente em conversa com apoiadores na porta do Palácio da Alvorada.

Assim como Ludhmilla, Queiroga, até o momento, também se posiciona contra o “tratamento precoce” contra a Covid defendido por Bolsonaro e é apoiador das medidas de isolamento social, rechaçadas pelo governo.

Caso o nome do presidente da SBC se confirme, será o quarto ministro a ocupar a pasta ao longo do governo de Bolsonaro.

A notícia sobre Queiroga vem horas após o atual ministro, Pazuello, informar que não pediu para sair do ministério. “Estamos em um momento de ‘o ministro Pazuello vai ser substituído’. Um dia sim. Pode ser curto, médio ou longo prazo. O presidente está na tratativa de reorganizar o ministério. Enquanto isso não for definido, a vida segue normal. Eu não estou doente, eu não pedi para sair”, disse.