Sociedade

Militante negra de Porto Alegre morre após operação policial em sua casa

Jane Beatriz Silva Nunes (Divulgação)

Moradores queimaram pneus e madeiras em protesto à morte de Jane Beatriz

Por Luisa Fragão

A militante negra Jane Beatriz Machado da Silva, 60 anos, morreu nesta terça-feira (8) durante uma abordagem da Brigada Militar do Rio Grande do Sul em sua casa, na Vila Cruzeiro, em Porto Alegre.

Parentes e amigos da vítima contam que ela morreu em decorrência de uma queda de escada na sua casa, algo que teria ocorrido enquanto policiais militares tentavam invadir a residência.

O comandante do 1° Batalhão de Choque da BM, coronel Cláudio dos Santos Feoli, afirmou que policiais faziam patrulhamento na região quando receberam uma denúncia de maus-tratos a menores. Eles teriam ido até a residência, mas não confirmaram a denúncia.

Jane teria resistido à entrada dos policiais em sua casa e pedido às autoridades para ver o mandado. O Instituto-Geral de Perícias (IGP) divulgou que a causa do morte foi rompimento espontâneo de um aneurisma cerebral.

Segundo informações do Zero Hora, Jane trabalhava na área administrativa da Secretaria Municipal de Segurança (SMSeg). Ela também atuava na Cruzeiro como Promotora Legal Popular (PLP) e era ligada à ONG Themis, que trabalha no enfrentamento da discriminação contra mulheres.

Moradores da região da Cruzeiro realizaram um protesto pela morte da militante. O grupo colocou fogo em pneus e madeiras, e o trânsito foi parcialmente bloqueado.