Brasil JUSTIÇA Política

Miriam Leitão vê corrupção no clã Bolsonaro e aponta que bandeira da moralidade sempre foi apenas mentira para enganar eleitor

Miriam Leitão e Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução | Valter Campanato/Agência Brasil)

“Quem acompanhou a vida política de Bolsonaro sabe que o discurso da moralidade pública que usou nos palanques foi apenas o que foi: uma estratégia eleitoral”, diz a jornalista, que bate duro no esquema de nepotismo, corrupção e lavagem de dinheiro em torno do gabinete de Flávio Bolsonaro

247 – A jornalista Miriam Leitão, colunista do Globo, faz dura crítica a Jair Bolsonaro neste domingo, ao comandar o esquema de corrupção descoberto no gabinete de seu filho Flávio, e diz que ele nunca quis de fato combater a corrupção. “O presidente Bolsonaro estava uma pilha na sexta-feira. Foi ainda mais agressivo do que o costumeiro no ataque aos repórteres que ficam na porta do Palácio. Era fácil saber o motivo do nervosismo. Seu filho Flávio está com uma montanha de explicações a dar sobre o que se passava no seu gabinete quando era deputado estadual, nos seus negócios com imóveis e no funcionamento da sua loja de chocolates. A bandeira de que faria um governo de combate à corrupção sempre foi postiça, mas fica mais difícil empunhá-la quanto mais detalhes vêm à tona sobre a estranha movimentação bancária de Fabrício Queiroz e a maneira como o senador conduzia seu gabinete de político e seus empreendimentos”, afirma ela, em sua coluna.

“Dezenas de funcionários do gabinete do então deputado não compareciam ao local de trabalho, nunca pediram crachá, recebiam seus salários dos cofres públicos e faziam depósitos rotineiros na conta de Fabrício Queiroz. Havia de tudo: personal trainer que tinha emprego no outro lado da cidade, estudante de veterinária que estudava a quilômetros do Rio, cabeleireira com trabalho fixo. Difícil é saber quem de fato trabalhava naquele gabinete”, aponta ainda a jornalista, que não omite a ligação com as milícias. “Nesta lista dos servidores de Flávio estavam a ex-mulher e a mãe do PM Adriano da Nóbrega, acusado de fazer parte de um grupo de milicianos. O mesmo Adriano foi duas vezes homenageado na Alerj, a pedido do deputado Bolsonaro, uma vez com a Medalha Tiradentes, quando ele já tinha sido preso por homicídio”, lembra Miriam.

“O caso ainda é o desdobramento de um Procedimento Investigatório Criminal, mas já tem muitas pontas enroladas. A reação do presidente de atacar o juiz, os procuradores, os jornalistas é típico de quem está perdendo a razão”, diz a colunista. “Quem acompanhou a vida política de Bolsonaro sabe que o discurso da moralidade pública que usou nos palanques foi apenas o que foi: uma estratégia eleitoral”, finaliza.

PUBLICIDADE