Política

MP vê ligação entre ‘rachadinhas’ de Flávio e compra de apartamento na Barra, vendido para dar entrada na mansão do Lago Sul

(Foto: Reprodução | ABr)

O MP apontou à Justiça que a natureza dos depósitos feitos na conta de Flávio e sua esposa para financiar o apartamento na Barra da Tijuca indica irregularidades. Os depósitos eram feitos em dinheiro vivo e caíam próximos às datas de pagamento das parcelas. Imóvel foi vendido para dar entrada na mansão do Lago Sul, avaliada em R$ 6 milhões

247 – O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) levantou suspeitas de que o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e sua esposa, Fernanda Antunes Figueira Bolsonaro, utilizaram recursos ilícitos para adquirir um apartamento na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Segundo o parlamentar, o imóvel foi vendido para dar entrada na compra da mansão no Lago Sul, bairro nobre de Brasília, avaliada em R$ 6 milhões.

Na denúncia do MP-RJ, apresentada à Justiça em outubro do ano passado, Flávio e Fernanda utilizaram os recursos desviados da Alerj para pagar o sinal de R$ 50 mil do apartamento na capital fluminense. Segundo a promotoria, também o financiamento para quitá-lo e o pagamento de impostos sobre a propriedade foram pagos com os recursos ilícitos.

Após a quebra do sigilo bancário do casal, que foi anulada pela Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) no último dia 23, o órgão constatou que, em maio de 2014, Fernanda não tinha saldo suficiente para pagar o sinal. No entanto, em um único dia de abril daquele ano, ela recebeu depósitos fracionados de R$ 20 mil, feitos em dinheiro vivo.

A partir de junho de 2014, Flávio também passou a receber diversos depósitos em datas próximas aos pagamentos das parcelas do financiamento.

O documento do MP aponta que a natureza dos depósitos tinha o “fim de ocultar a origem dos recursos” e que eles podem ter sido arrecadados através do esquema das ‘rachadinhas’.

Conforme admitido por Flávio a entrada na mansão foi possível através da venda do apartamento na Barra: “Vendi o imóvel que eu tinha no Rio de Janeiro, vendi uma franquia que eu possuía, também no Rio de Janeiro. Dei uma entrada numa casa aqui em Brasília e a maior parte dessa casa tá sendo financiada no banco, numa taxa que foi aprovada conforme o meu rendimento familiar, como qualquer pessoa pode fazer no Brasil”, afirmou.

As informações foram reportadas no Globo.