Cidade

Parque Saburo Onoyama reabre nesta quarta (15) à população

Espaço recreativo funciona diariamente, das 6h às 18h | Foto: Divulgação/Brasília Ambiental

Piscina da unidade de conservação, no entanto, permanecerá fechada, para evitar aglomeração

AGÊNCIA BRASÍLIA* | EDIÇÃO: CHICO NETO

A partir desta quarta-feira (15), o Parque Ecológico Saburo Onoyama, em Taguatinga Sul, estará reaberto para o público. A medida foi determinada pela Instrução Normativa nº 27  do Instituto Brasília Ambiental, publicada nesta terça-feira (14) no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF). A unidade de conservação estava fechada desde o ano passado, cumprindo medida protetiva do GDF contra a proliferação do coronavírus.

Interdição da piscina, informa o Brasília Ambiental, é medida focada na saúde dos frequentadores

De acordo com a Superintendência de Unidades de Conservação, Biodiversidade e Água (Sucon) do Brasília Ambiental, a reabertura do parque atende solicitação da comunidade e da Administração Regional de Taguatinga. A piscina, entretanto, permanecerá fechada.

Conforme explica a titular da Sucon, Rejane Pieratti, o uso da piscina inviabiliza a utilização de máscaras protetivas e o distanciamento físico entre as pessoas, medidas de segurança contra a covid-19 que seguem necessárias. “É uma medida focada, exclusivamente, na saúde dos frequentadores e usuários do parque”, pontua.

A orientação do Brasília Ambiental é que a comunidade deve colaborar para que o parque se mantenha aberto. Trata-se de um espaço privilegiado que proporciona aos frequentadores lazer, contato com a natureza e práticas esportivas, num conjunto de atividades que ajuda a combater o estresse. Para tanto, devem ser mantidas as medidas protetivas, como uso de máscara, distanciamento e uso de álcool gel.

Fechado junto a todas as outras unidades de conservação (UCS) no início da pandemia da covid-19, o Saburo Onoyama é um espaço com grande afluência de público, especialmente nos fins de semana. A unidade volta a funcionar diariamente, das 6h às 18h.

Com informações do Brasília Ambiental