Covid-19 Saúde

Piadas xenofóbicas de Bolsonaro com China atrapalham importação de insumos para vacinas, diz secretário de Doria

Secretário de Relações Internacionais de SP, Júlio Serson (Foto: Governo do Estado de São Paulo)

Julio Serson diz que país depende de insumos e falas do presidente, como as feitas no programa de Sikêra Jr., atrasam as negociações

Por Luisa Fragão

O secretário de Relações Internacionais do governo de São Paulo, Julio Serson, diz que os ataques e piadas xenofóbicas do presidente Jair Bolsonaro contra a China podem atrapalhar a importação pelo Instituto Butantan dos insumos para vacinas contra a Covid-19.

“O Brasil depende da autorização do governo chinês para importar o IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) e o presidente fazendo piadas com quem tem nos ajudado”, afirmou o secretário, em entrevista ao Painel, da Folha de S.Paulo, publicado nesta terça-feira (27).

Além de Bolsonaro, aliados e outros membros do governo também já atacaram o país asiático. Em novembro do ano passado, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) fez insinuações sobre o uma suposta espionagem que seria promovida pelo Partido Comunista Chinês através do serviço de 5G da Huawei.
O ex-ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, também era um crítico costumaz da China. O chanceler se referia à Covid-19 como “vírus chinês e “comunavírus”.

Para o secretário, comentários de Bolsonaro como os que foram feitos em entrevista ao programa de Sikêra Jr. na TV A Crítica – afiliada da RedeTV! no Amazonas – também impactam a relação com os chineses. Na última sexta-feira (23), o presidente afirmou no programa que tem o “plano” de colocar as Forças Armadas nas ruas para intervir nas políticas de isolamento social decretadas por governadores e prefeitos para reduzir a contaminação pelo coronavírus.

Bolsonaro ainda fez piadas homofóbicas e, nos bastidores, posou para fotos junto com o apresentador e seus ministros segurando uma placa com os dizeres “CPF Cancelado”.