GDF Saúde

Reparos garantem funcionamento de leitos na UTI do HMIB

Foto: Vinícius de Melo

 

Bloqueados por precaução, os cinco leitos de UTI neonatal serão liberados nesta terça-feira (5) após a impermeabilização do telhado

 

Os cinco leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal do Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB), que foram interditados por precaução, após uma infiltração no teto de uma das alas do local, estarão funcionando normalmente, já a partir de amanhã (5). Eles foram deixados fora de uso, após constatado o problema. Rapidamente, o GDF delegou à Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) a tarefa de realizar a impermeabilização do teto para sanar o problema. Ainda neste mês, as obras definitivas no telhado do hospital terão início.

Na manhã desta segunda-feira (4), o governador em exercício, Paco Britto, acompanhado do secretário de Saúde, Osnei Okumoto, esteve no HMIB para ver de perto o início das obras da Novacap. “Foi constatado um problema estrutural, pois na última reforma, as telhas, que deveriam ter sido colocadas sobrepostas, foram apenas encaixadas. Isso ocasionou a infiltração”, explicou Paco. “Mas a determinação do governador Ibaneis é que sejamos um governo ágil, e rapidamente agimos, para garantir que esses leitos interditados voltem a funcionar para atender a demanda da população”, completou.

Ao todo, o HMIB oferece 40 leitos de UTI para bebês recém-nascidos que necessitem de cuidados especiais. Algumas crianças chegam a ficar até 120 dias no local. Destes, o vazamento causado pela infiltração afetou, diretamente, dois leitos: 1 e 5. Mas, por decisão da direção do hospital, foram interditados os leitos 2, 3 e 4 por precaução. “Todos os bebês foram realocados para outros espaços e continuam recebendo todo o tratamento necessário, sem prejuízo algum”, explicou a diretora-administrativa da unidade, Gláucia Silveira.

O secretário de Saúde – pasta responsável pelo processo de licitação para a obra definitiva na unidade de saúde – garantiu que o hospital tem leitos suficientes para atender a demanda. “O HMIB é nosso principal hospital neonatal e atende bebês não apenas do DF, mas da Bahia, Minas Gerais, Mato Grosso e outros Estados e, por isso, é preciso ser ágil para garantir que os leitos interditados voltem a funcionar rapidamente”, explicou Osnei.

De acordo com ele, as obras definitivas para solucionar, de vez, o problema no telhado do hospital, devem ter início até o fim de janeiro. Serão feitas as sobreposições das telhas, consertados os vazamentos, realocados os pontos de fixação de para-raios, entre outros reparos necessários.

 

Publicidade