Cidade

Risco de desabastecimento provoca corrida aos postos de combustíveis do DF

crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

De acordo com a Petrobras, a oferta de gasolina em Brasília e Goiânia estava sendo parcialmente restabelecida ainda nesta quarta-feira (23/12)

Por Luana Patriolino

Em um sinal de alerta para uma possível falta de combustível no Distrito Federal, motoristas correram para os postos de gasolina, às vésperas do Natal. A Petrobras informou, ontem, que recentes problemas de operação em um oleoduto da Transpetro aconteceram pelas “consecutivas derivações clandestinas e furtos de combustível, e isso exigiu a interrupção de sua operação para reparo dos furos”. De acordo com a empresa, a oferta de gasolina em Brasília e Goiânia estava sendo parcialmente restabelecida desde ontem.

O dentista Guilherme Mariano, 28 anos, foi um dos que se assustaram com a possibilidade da falta de combustível no DF. Ele costuma abastecer sempre no mesmo posto, no Eixinho Sul. “Para ser sincero, o motivo de vir correndo, hoje, é porque a gasolina pode estar acabando. Além do preço, é claro, que temo aumentar nos próximos dias”, afirma.

Gerente de um posto na Asa Norte, Danilo Gabriel Silva notou uma movimentação atípica nos dois últimos dias. À espera de mais combustível para manter o posto funcionando, ele afirma que tem percebido os motoristas preocupados com uma possível falta de gasolina no DF. “Eles estão receosos. Eu acredito que não vai faltar, mas o movimento realmente está maior. Não sei se é porque vão viajar ou porque realmente estão com medo”, explica.

Silva explicou que, em média, o posto recebe reabastecimento a cada quatro dias. “As vendas não estão tão altas por causa da pandemia. Essa época de fim de ano não é comum faltar, mas muita gente vem para abastecer porque vai viajar”, diz o gerente.

A situação é ainda pior para quem depende do carro para garantir um salário no fim do mês. Jassyleide de Oliveira, 36, é motorista por aplicativo e precisa abastecer o veículo pelo menos duas vezes ao dia. Ela teme parar de trabalhar. “Essa possível falta de combustível ‘quebra as pernas’ do trabalhador. A gasolina é uma das nossas ferramentas de trabalho. Se falta, podemos ficar sem trabalhar. Temos contas a pagar, e se não tiver como rodar, como será?”, diz.

Fracionamento

O Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes do DF (Sindicombustíveis) afirmou, em nota, que “o combustível está chegando de forma fracionada. Os pedidos que são feitos pelos revendedores não estão sendo entregues de maneira completa”. O sindicato também afirmou que a capacidade operacional está abaixo do normal. “Os estoques dos postos não estão completos. Foi bombeado um pouco de combustível, logo, parte da defasagem foi coberta, mas não estão ainda trabalhando com a capacidade normal”, conclui a nota.