Política

“Wassef pode ser a Fiat Elba do Bolsonaro”, afirma editora do Valor Econômico

(Foto: Reuters | Reprodução)

Há fortes indícios de que o advogado Frederick Wassef pagava despesas de Fabrício Queiroz. Se confirmada a suspeita, Wassef pode ser “a Fiat Elba de Bolsonaro” e levar à queda do governo, escreve Maria Cristina Fernandes, editora do Valor Econômico

A Fiat Elba a que se refere a jornalista foi o elo entre Fernando Collor de Mello e seu tesoureiro de campanha, Paulo César Farias (PC Farias), comprovando a relação ilegal entre os dois e que levou à queda do governo em 1992.Há um vínculo de R$ 41 milhões que começar a apontar para a relação entre Bolsonaro e Wassef. Leia reportagem sobre o assunto publicada este domingo (21) no 247:

Uma empresa ligada à ex-mulher e sócia do advogado Frederick Wassef, que defende o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), recebeu R$ 41,6 milhões durante a gestão de Jair Bolsonaro (sem partido). De acordo com reportagem de Constança Rezende e Eduardo Militão, do UOL, o valor se refere a pagamentos efetuados entre janeiro de 2019 e março deste ano pelo governo federal para a Globalweb Outsourcing — empresa fundada por Cristina Boner Leo, que presta serviços de informática e tecnologia da informação a diferentes órgãos da administração federal, como o Ministério da Educação e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social).

A empresa já prestava serviços nos quatro anos de gestão anteriores, de Dilma Rousseff e Michel Temer. No entanto, segundo levantamento feito pelo UOL no portal da Transparência e Diário Oficial, os contratos que a empresa tinha negociado com governos anteriores foram prorrogados e receberam aditivos de R$ 165 milhões pela gestão de Bolsonaro.

Além disso, o novo governo fechou novos contratos com a Globalweb Outsourcing no valor de R$ 53 milhões — totalizando um compromisso de R$ 218 milhões a serem pagos pelos cofres públicos nos próximos anos.

PUBLICIDADE

Posts